segunda-feira, 22 de abril de 2013

QUIROPRAXIA: MODISMO QUE INFELIZMENTE VEM CHEGANDO AO BRASIL SOFRE DURO GOLPE NA INGLATERRA E PERDE CREDIBILIDADE

Efeitos adversos de tratamentos mal relatados permitem que os quiropratas criem uma imagem de positividade falsa, diz professor.Um estudo encontrou que os tratamentos da quiropraxia podem parecer mais seguros do que são realmente porque seus efeitos adversos são sub-relatados em experimentações médicas.

O relatório impróprio dos efeitos adversos de uma intervenção médica é anti-ético, disse Edzard Ernst, professor da medicina complementar na Faculdade de Medicina da Univerisdae de Exeter, que conduziu a última análise. Isto tem permitido que os quiropratas criassem uma imagem falsa de segurança de seus tratamentos, disse.

Quiropratas usam a manipulação espinhal para tratar doenças dos músculos e das articulações. Alguns profissionais reivindicam que os tratamentos podem ser usados para tratar problemas de saúde mais gerais como cólica, asma e o choro prolongado em bebês.

Em sua última análise, a equipe de Ernst coletou dados de 60 estudos randomizados controlados (RCTs) da quiropraxia realizados de janeiro 2000 a julho 2011. Encontraram que 29 dos estudos não mencionaram nenhum efeito adverso do tratamento e, das 31 experimentações onde os efeitos adversos foram relatados, 16 relataram que nenhum havia ocorrido durante o estudo. Os resultados foram publicados na edição de Abril de 2012 do New Zealand Medical Journal.

As normas de publicação de ensaios clínicos que todos os resultados adversos de uma intervenção médica devem ser publicados. Se uma intervenção é totalmente segura e não tem consequentemente nenhum efeito adverso, os investigadores deve relatar que não houve qualquer efeito adverso.

“Imagine se você tem uma droga onde os efeitos adversos suaves sejam documentados e os efeitos adversos raros estejam sendo relatados nos estudos,” disse Ernst. “Então alguém faz uma experimentação nesta droga e não menciona qualquer efeito adverso. Isso é certamente anti-ético.

“Eu sinto que os quiropratas têm uma atitude estranha em relação a segurança de suas intervenções. Quando você lê a literatura, você vê proclamações que a manipulação espinhal, de acordo com quiropratas, é 100% segura.”

Isto é apesar das centenas de estudos que documentaram problemas com o tratamento. “Aproximadamente 50% dos pacientes que vão a um quiroprata têm efeitos adversos, o que é um número enorme,” disse Ernst. “Além destes estes efeitos adversos razoavelmente suaves, que são basicamente dor no local da manipulação e a dor referida que dura somente um ou dois dias, nós temos aproximadamente 500-700 casos de complicações severas que foram relatadas.”

Com os movimento extremos na cervical com a manipulação da quiropraxia, uma artéria pode desintegrar-se e conduzir a um derrame, um resultado já bem documentado na literatura médica. “Nós vemos somente o que está sendo publicado e isso pode somente ser a ponta do iceberg,” disse Ernst. “Se um neurologista vê um derrame e acredita que estêve associado com a quiropraxia – em 99.9% dos casos ele não publicará isso.”

Ernst disse o sub relato dos efeitos adversos significa que as decisões sobre o melhor curso de tratamento para um paciente seriam difíceis. “As decisões terapêuticas devem ser tomadas não apenas ao considerar a eficácia mas sim ao pesá-la com o potencial para o dano. Você tem que fazer uma análise do risco-benefício. Quando não se relata os riscos, isso não pode ser feito de maneira robusta.”

A associação britânica da quiropraxia foi contatada para uma resposta ao estudo mas um porta-voz disse que foi incapaz de comentar a tempo para a publicação.

Nota de publicação: Este texto foi inteiramente e fielmente traduzido do original “Dangers of chiropractic treatments under-reported, study finds”, publicado no periódico The Guardian


Veja também o link

Nenhum comentário:

Postar um comentário